Neuroeducação e jogos de mesa (parte 2)

Família jogando jogo de tabuleiro

A editora DEVIR disponibilizou um material muito interessante e relevante para quem deseja entender melhor a relação entre a neurociência e os jogos de tabuleiro.

Vamos publicar esse material em partes, por se tratar de um assunto relativamente extenso e que merece a devida atenção para quem deseja entender melhor como os jogos podem auxiliar no desenvolvimento.

Um agradecimento especial à DEVIR por disponibilizar um material tão rico e instigante e vamos para a parte 2 (se perdeu a primeira parte leia aqui).

“O jogo é um dos direitos da infância garantido pelo artigo 31 da Declaração dos Direitos da Criança: a criança tem direito à diversão, ao jogo e a participar de atividades artísticas e culturais. Os Estados Partes respeitarão e promoverão oportunidades apropriadas, em condições de igualdade, de participar da vida cultural, artística, recreativa e de diversão.
No entanto, já em 2013 o Comitê dos Direitos da Criança das Nações Unidas alertou que havia pouco reconhecimento deste direito por parte dos países-membros, Espanha entre eles. Tentando apaziguar esta situação, o Congresso dos Deputados assinou em 2014, uma declaração para promover o direito ao jogo através do fornecimento de oportunidades de tempo e espaço para que as crianças possam compartilhar de jogos espontâneos, brincadeiras e criatividade.

Os especialistas dizem que o jogo é fundamental para a saúde e o desenvolvimento das crianças, pois as crianças que jogamos mais desenvolvem melhor suas capacidades e vivem mais felizes e saudáveis; que através deste meio aprendem valores fundamentais e desenvolvem habilidades como: respeitar normas, ter paciência, ter empatia com seus semelhantes, resolver situações, tolerar as frustrações etc. Graças aos jogos, podem exteriorizar suas emoções e aprendem a lidar com seus fracassos e problemas.

Recuperar o ambiente de jogo é, portanto, uma prioridade da sociedade atual, que devolveria, assim, um direito e satisfaria a necessidade vital para seu bom desenvolvimento. Porque através do jogo conseguimos não somente nos divertir, mas também adquirir conhecimentos, melhorar a autoestima, estabelecer vínculos afetivos e, sobretudo, criar espaços de cooperação e de comunicação, estabelecendo cumplicidades que permitem melhorar a socialização dos indivíduos.

O jogo constitui a pedra fundamental de uma infância saudável e próspera.”

Está acompanhando e gostando do assunto? Deixe seu comentário!

Quero ler mais artigos sobre jogos de tabuleiro como esse no Facebook , no Pinterest,  no Instagram,  no BLOG  e na Ludopedia

 

Anúncios

4 comentários

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s